Conheça a classificação das assinaturas eletrônicas conforme a Lei 14.063/2020

Conheça a classificação das assinaturas eletrônicas conforme a Lei 14.063/2020

Em setembro de 2020 entrou em vigor a Lei 14.063/20, regula o uso de assinaturas eletrônicas. Nesta legislação, é possível conhecer a classificação das assinaturas eletrônicas. Trata-se de uma informação importante para conduzir operações digitais corretamente.

Quando você pode assinar um documento eletronicamente? Quais operações requerem um certificado digital? Como garantir a validade jurídica de uma operação? Todas essas questões passam pela classificação das assinaturas eletrônicas.

Neste artigo vamos conhecer melhor a classificação das assinaturas eletrônicas conforme as disposições da Lei 14.063/2020. Confira.

O que é a Lei 14.063/2020?

A Lei 14.063/20 dispõe sobre o uso de assinaturas eletrônicas em interações com entes públicos, em atos de pessoas jurídicas e em questões de saúde e sobre as licenças de softwares desenvolvidos por entes públicos. O objetivo é de proteger as informações pessoais e sensíveis dos cidadãos, bem como de atribuir eficiência e segurança aos serviços públicos prestados sobretudo em ambiente eletrônico.

Para os fins da Lei 14.063/2, considera-se:

  1. Autenticação: o processo eletrônico que permite a identificação eletrônica de uma pessoa natural ou jurídica.
  2. Assinatura eletrônica: os dados em formato eletrônico que se ligam ou estão logicamente associados a outros dados em formato eletrônico e que são utilizados pelo signatário para assinar, observados os níveis de assinaturas apropriados para os atos.
  3. Certificado digital: atestado eletrônico que associa os dados de validação da assinatura eletrônica a uma pessoa natural ou jurídica.
  4. Certificado digital ICP-Brasil: certificado digital emitido por uma Autoridade Certificadora (AC) credenciada na Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), na forma da legislação vigente.

Classificação das assinaturas eletrônicas

Segundo a Lei 14.063/20, as assinaturas eletrônicas podem ser classificadas da seguinte forma:

1. Assinatura eletrônica simples

  • Permite identificar o seu signatário;
  • Anexa ou associa dados a outros dados em formato eletrônico do signatário.

2. Assinatura eletrônica avançada

Utiliza certificados não emitidos pela ICP-Brasil ou outro meio de comprovação da autoria e da integridade de documentos em forma eletrônica, desde que admitido pelas partes como válido ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento, com as seguintes características:

  • Está associada ao signatário de maneira unívoca;
  • Utiliza dados para a criação de assinatura eletrônica cujo signatário pode, com elevado nível de confiança, operar sob o seu controle exclusivo;
  • Está relacionada aos dados a ela associados de tal modo que qualquer modificação posterior é detectável.

3. Assinatura eletrônica qualificada

Utiliza certificado digital, nos termos do § 1º do art. 10 da Medida Provisória nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001.

É importante destacar que os 3 tipos de assinatura caracterizam o nível de confiança sobre a identidade e a manifestação de vontade de seu titular. Porém, a assinatura eletrônica qualificada é a que possui nível mais elevado de confiabilidade a partir de suas normas, de seus padrões e de seus procedimentos específicos.

Uso das assinaturas eletrônicas

Conforme a Lei 14.063/20, no âmbito de suas competências, ato do titular do Poder ou do órgão constitucionalmente autônomo de cada ente federativo estabelecerá o nível mínimo exigido para a assinatura eletrônica em documentos e em interações com o ente público.

Para isso, é necessário observar o seguinte:

  • A assinatura eletrônica simples poderá ser admitida nas interações com ente público de menor impacto e que não envolvam informações protegidas por grau de sigilo;
  • A assinatura eletrônica avançada poderá ser admitida nas operações permitidas pela assinatura eletrônica simples e no registro de atos perante as juntas comerciais;
  • A assinatura eletrônica qualificada será admitida em qualquer interação eletrônica com ente público, independentemente de cadastramento prévio.

Além disso, é obrigatório o uso de assinatura eletrônica qualificada nas seguintes situações:

  1. Nos atos assinados por chefes de Poder, por Ministros de Estado ou por titulares de Poder ou de órgão constitucionalmente autônomo de ente federativo;
  2. Nas emissões de notas fiscais eletrônicas, com exceção daquelas cujos emitentes sejam pessoas físicas ou Microempreendedores Individuais (MEIs), situações em que o uso torna-se facultativo;
  3. Nos atos de transferência e de registro de bens imóveis;
  4. Nas demais hipóteses previstas em lei.

Você já conhecia a classificação das assinaturas eletrônicas? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário.

Gostou? compartilhe!

Agende uma avaliação

Agende uma conversa com um de nossos especialistas e tome a melhor decisão. Solicite uma apresentação online sem compromisso com um de nossos consultores. Teremos prazer em conhecer você e te ajudar!

Comercial
Suporte
chamar no WhatsApp
MegaGED Gerenciando fluxos, otimizando processos e reduzindo custos www.megaged.com.br Online
Fale com a gente pelo WhatsApp
×